REvista das Blythes – “Apresentando quem faz”, hoje com a customizadora Lou Grimes

Uma das colunas que eu mais estava querendo escrever aqui para a minha REvista das Blythes era a “Apresentando Quem Faz”.
Pois bem, chegou o dia, e hoje vou apresentar quem faz algumas das mais queridas customizações aqui em nosso país, a querida Lou Grimes.


Foto montagem pro Lou Grimes

Não escolhi a Lou para ser a primeira a apresentar aqui por acaso…
Ela foi a primeira customizadora com quem conversei, a primeira para quem mandei uma Blythe para custom, e a primeira de quem comprei uma nova criação. Tenho várias “Lous” na minha coleção, algumas eu já não tenho mais, algumas mais antigas eu já mudei, e novas Louloudolls ainda vão chegando por aqui. A última foi a Anne, que apresentei em meu mais recente vídeo no Canal das Blythes no youtube.

E hoje que mostrar uma das mais antigas, a Gigi, minha Simply Chocolate que a Lou customizou:

E a Olívia, uma das minhas preferidas. A Olívia foi minha primeira Blythe com mohair, é daquelas que a gente não esquece:

E tem a Hope também, minha primeira Middie de todas, apaixonante…

Mas vamos conhecer um pouco mais a Lou?


Foto/montagem por Lou Grimes

A Lou é na verdade a Lorrana, ela é natural de Brasília, DF, tem 31 anos, é casada e tem um filho cãozinho, o Caramelo. Ela é customizadora profissional, atualmente e essa é sua principal atividade, mas não foi sempre assim… Ela é formada em Pedagogia pela UEG, e dava aulas. Em 2012, quando ela já era colecionadora de Blythes, precisou se afastar das salas de aula, e como já fazia havia experimentando fazer algumas customizações em seus horários livres, passou a aceitar mais e mais pedidos. Aí, quando chegou a hora de voltar a lecionar ela decidiu que não, que iria se dedicar ao novo trabalho, em casa, e os pedidos foram crescendo naturalmente. Ela, então, resolveu fazer alguns cursos para incrementar o trabalho: corte e costura, design gráfico e básico de fotografia.


Mel, primeira boneca da Lou.

Mas vamos ver como tudo começou…

REvista: Lou, como você conheceu as Blythes? E você coleciona outras bonecas?

Lou Grimes: Descobri as Blythes em meados de 2007, fiquei louca querendo uma daquelas bonecas esquisitas, mas eram muito caras para meu bolso de universitária. Até que em 2008, meu namorado (hoje marido) me deu uma de presente, a Mel, uma Prima Dolly Aubrey comprada diretamente no Mercado Livre e parcelada em suaves 10 prestações. Ela foi a primeira doll que a Julia Cabral fez para alguém, na época eu morria de medo de trocar seus olhos, achava que iriam desmontar. O engraçado é que depois disso eu entrei em uma paranóia de estudar para concurso, fui morar com meu namorado, estava ocupada com os preparativos do casamento e assumi sala de aula, ou seja a mocinha ficou esquecida. Quando a encontrei decidi vender pois achei que a “emoção” tinha passado. Engano meu: enviei ela pelo correio segurando o choro, mas ela foi… Logo depois do meu casamento, me peguei namorando as meninas novamente e decidi comprar duas, era o ano de 2010 e eu estava “assumindo” definitivamente o hobby.
E lembrando da primeira boneca que eu vendi, fui atrás da moça que a comprou para comprá-la de volta, e acabei conseguindo. Mel voltou a fazer parte da família, quatro anos depois.
E sim, Coleciono Tammy e Susi vintage, desde que minha mãe achou uma Tammy que foi dela nas coisas da minha avó e me deu. Elas tem esse lance afetivo, mas sou apaixonada pelas Blythes.

RE: Como você começou a customizar, e de onde tira inspiração para as customs? E você também costura para elas, não é mesmo, Lou?

Lou: No fim de 2011 eu queria muito uma boneca fantasminha e decidi fazer a minha primeira, completa, com weft e tudo. Fiz, e logo começaram a chegar pedidos de amigas, e aí então não parei mais. Eu tiro inspiração das bonecas que eu gostaria de ter (sim, claro!), de filmes, desenhos e fotos de bebês. Fico horas vendo boquinhas de bebes e crianças pequenas…
Sim, eu ja costurava o básico, depois fiz um curso de corte e costura e comecei a adaptar e criar meus próprios moldes, mas basicamente costuro só vestidos, porque amo as Blythes com vestidos!

RE: Você tem alguma Blythe preferida? Qual molde você prefere? E o que mudaria nas Blythes stock?

Lou: Sim, tenho, minha preferida é a Mel, por conta de sua história. Meu moldes preferidos para colecionar são os EBL, BL e FBL. E para customizar, o RBL.
Eu mudaria o rosto brilhante das stocks, sei que tem algumas antigas que vêm foscas, mas deixaria todas foscas e com corpo de licca. Ah, e falta uma que seja preta de verdade, bem preta, e também uma tan translúcida. E gostaria que viessem com cabelos mais cacheadas também!

RE: O que sua família acha das dolls?

Lou: Meu marido – que era namorado quando tudo começou – acha tudo incrível e apoia todas minhas decisões, viaja comigo para alguns eventos, às vezes vai a encontrinhos. Ele nunca teria uma, mas vive me dando ideias de coisas que eu poderia fazer, por exemplo, seu sonho é que eu faça Blythes dos integrantes da banda Kiss e uma Pinóquio.
Já minha mãe no começo não gostou nada, principalmente quando larguei o emprego formal. Hoje ela tem a Blythe dela e ano passado a levei comigo ao Blythecon BH, e agora acho que ela gosta bastante, mas não sei ser seria uma colecionadora como eu… 😉

RE: Quantas dolls você já customizou, Lou?

Lou: Nesse ano de 2017 completei 5 anos como customizadora, foi o ano que cheguei na minha customizada de número 500 (já passei desse número bastante!).
E estão todas registradas no louloudolls.com
Todos convidados para visitar a página.

Passe por lá e conheça o lindo trabalho que a Lou faz, eu passei e fiquei namorando as lindezas que ela já criou.

Ah, e Lou, muito obrigada por contribuir com a REvista das Blythes, nós adoramos conhecer você um pouco mais!

Domingo que vem tem mais REvista das Blythes como um nova coluna por aqui!